Ocorrência de dor em bebês internados em unidade de terapia intensiva neonatal de maternidade terciária

Caroline Diniz Nazareth, Maria Francielze Holanda Lavor, Tânia Maria Araújo Santos Sousa

Resumo


Introdução: Por muitos anos, acreditou-se que os recém-nascidos (RNs) eram incapazes de sentir dor, devido ao pressuposto que seu sistema nervoso ainda não estaria completamente formado. Os RNs podem perceber a dor com mais intensidade do que as crianças e os adultos, devido aos seus mecanismos de controle inibitório imaturos, diminuindo capacidade de modular a experiência dolorosa.  Objetivos: Identificar a ocorrência de dor em bebês internados e mensurar a utilização de analgesia farmacológica. Material e Métodos: Estudo transversal prospectivo, realizado nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal de um hospital terciário, no período de novembro de 2014 a fevereiro de 2015. Resultados: Dor foi identificada em 36% dos pacientes. Cinco (10%) pacientes receberam medidas farmacológicas de analgesia. Conclusão: Houve discrepância entre a frequência de dor encontrada e a de utilização de medidas para aliviá-la. Mostra-se necessária a implantação de um protocolo de avaliação e terapêutica de dor pela Instituição.


Palavras-chave


Recém-nascido; Dor; Medida da dor; Unidades de terapia intensiva neonatal.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.20513/2447-6595.2015v55n1p33-37

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista de Medicina da UFC

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios:

PKP


Indexação:

Google AcadêmicoCrossref